Bancários

Sindicato de Maringá e Região

CONTEC
13° MIN 25° MÁX MARINGÁ
Seu Banco:


20/02/2017

Contra assédio e falta de funcionários, Sindicato realiza protesto em agência do Santander


 

O Sindicato realizou nesta segunda-feira, 20, protesto em frente a agência do Santander da Av. São Paulo. A ação é contra o assédio moral na instituição, que atingiu níveis absurdos, e a falta de funcionários, o que aumenta a sobrecarga de trabalho, o estresse, pressão e longas filas. O banco vem promovendo demissões sem novas contratações.

 

 

Além disso, o banco transformou a agência da Av. São Paulo, alvo deste primeiro protesto, que deverá se estender para outas unidades, em atendimento digital. Com isso, os clientes foram migrados para a agência centro e não houve aumento na quantidade de funcionários, nem de caixas.

 

 

Para tentar fugir das longas filas, clientes e usuários estão utilizando as agências mais periféricas, que também vivem o caos, com longas filas e correria o dia todo dos funcionários. A maioria tem trabalhado até bem depois do expediente, que já é extenuante.

 

 

Os gestores também têm pesado a mão e estão abusando nas cobranças exageradas e feitas com o claro intuito de desestabilizar o funcionário. Muitos estão se afastando para tratamento médico.

 

 

“A situação realmente está terrível neste banco. Caso o Santander não reveja sua forma de atuação, cessando demissões e contratando mais, dando um basta nesse assédio, vamos continuar pressionando, com novas ações”, adianta o presidente em exercício, Carlos Roberto Rodrigues. 



20/02/2017

Reunião no Ministério Público do Trabalho sobre PDVE da CAIXA


A diretora de Finanças da CONTEC e coordenadora da Comissão de Negociação da CONTEC junto a CAIXA, Rumiko Tanaka, participou nesta manhã (17/02) de audiência mediadora, no Ministério Público do Trabalho, que tratou das regras do novo Plano de Desligamento Voluntário Extraordinário (PDVE) da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Pela representação da CAIXA estavam presentes: Almir Márcio Miguel, Fábio dos Santos Souza e Alcefredo Pereira de Souza, além das procuradoras do Trabalho: Marici Coelho de Barros Pereira e Ana Cristina Tostes Ribeiro.

Na ocasião, a CAIXA esclareceu que atendeu o pedido de seus empregados e realizou algumas modificações no PDVE. Entre elas: 

retirou a cláusula 3ª, que exigia a quitação total do contrato de trabalho; 
- estendeu o prazo de adesão até o dia 24 de fevereiro com desligamento até 31 de março de 2017; 
- retirou a cláusula 4ª, que estabelecia a competência do foro a justiça federal; 
- manutenção do plano de saúde por 24 meses, caso o empregado não comprove a aposentadoria até 28/02/2018; 
- ampliou o público elegível para que atenda também os empregados com condições de aposentar-se até 31/12/2017; 
- permanecem, em relação à FUNCEF, as regras atuais a respeito dos empregados desligados por aposentadoria; 
- esclareceu que os empregados desligados na condição de aposentados terão os mesmos benefícios previstos no Acordo Coletivo de Trabalho (ACT);

Após os esclarecimentos, os representantes dos bancários denunciaram que haviam gestores coagindo e pressionando empregados a aderirem ao PDVE. As procuradoras consideraram as denúncias graves e determinaram que a CAIXA oriente melhor os seus gestores para que a adesão seja realmente individual e voluntária. Destacaram ainda a necessidade de a CAIXA aplicar “providências disciplinares” para aqueles que estiverem praticando esse tipo de coação.

A CONTEC registrou na ocasião a necessidade de a direção da CAIXA entender a necessidade de ampliar o debate antes mesmo de qualquer providência ou ato administrativo que vá impactar diretamente na vida dos bancários. Pois as indisposições podem ser evitadas com o amplo debate em mesa de negociação. (Fonte: Contec)




17/02/2017

Já está circulando entre os bancários edição de fevereiro do jornal da entidae




17/02/2017

Procon de Londrina fecha banco por descumprir tempo máximo de espera

O Procon de Londrina, no norte do Paraná, fechou uma agência bancária, na manhã desta terça-feira (14h), devido ao descumprimento do tempo máximo de espera por atendimento estabelecido por lei, que é de 15 minutos em dias normais.

O processo administrativo movido contra o banco durou aproximadamente um ano e foi aberto a partir de denúncias de consumidores.



O órgão informou que a agência do Banco Santander, localizada na Rua Minas Gerais, no Centro de Londrina, foi notificada durante o andamento do processo para que tomasse providências quanto ao tempo de espera na fila. Como não houve manifestação do banco, o alvará de licença para funcionamento da agência foi suspenso temporariamente, pelo prazo de sete dias.

De acordo com o coordenador do Procon de Londrina, Gustavo Richa, a lei determina que, a partir da quinta reclamação, o alvará pode ser suspenso.

Lei municipal
Uma lei municipal, de 1998, determina que agências e postos de serviços bancários devem garantir um tempo de espera de, no máximo, 15 minutos, em dias normais, e de meia hora, na véspera de feriado prolongado, um dia após o feriados e em dias de pagamento de funcionários públicos.

A legislação exige entrega de senha de atendimento ao consumidor, que contenha o horário de emissão. Em caso de descumprimento, o banco pode ser punido com advertência, multa e, por fim, suspensão do alvará de funcionamento.

Por meio de nota, o banco Santander informou que vai recorrer da decisão.



17/02/2017

Sindicato apoia Rosinéia Balbino para Caref




17/02/2017

Com aposentadoria incentivada, lucro do BB desaba

 
O Banco do Brasil (BB) obteve lucro líquido ajustado de R$ 1,747 bilhão no quarto trimestre de 2016, resultado 34% inferior ao obtido no mesmo período do ano anterior. O número exclui o impacto das despesas não recorrentes de R$ 1,401 bilhão com o plano de aposentadorias incentivadas lançado pela instituição.

O lucro contábil, que inclui itens extraordinários, foi de R$ 963 milhões, com redução de 61,6% em relação aos três últimos meses de 2015. 
No ano passado como um todo, o lucro ajustado foi de 7,171 bilhões, o que representa queda de 38,2%. Analistas consultados pelo Valor previam lucro ajustado de R$ 2 bilhões para o BB entre outubro e dezembro.

As ações do banco, no entanto, estão entre as maiores altas do Ibovespa no dia. Às 14h49, BB ON avançava 2,45%, para R$ 32,64, frente às expectativas do mercado para o desempenho da instituição este ano.

A margem financeira bruta somou R$ 15,333 bilhões no quarto trimestre, o que representa alta de 7,5% na comparação com igual intervalo do ano anterior. A renda de tarifas avançou 6,3%, para R$ 6,361 bilhões.

As despesas líquidas com provisões para devedores duvidosos somaram R$ 6,636 bilhões nos três últimos meses do ano passado, com alta de 9% frente ao terceiro trimestre e de 4,5% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Retorno ajustado 
O BB apresentou retorno sobre o patrimôni
o líquido anualizado ajustado (ROAE) de 7,2% no quarto trimestre do ano passado. Em 2016 como um todo, ficou em 7,5%. O retorno ajustado havia sido de 12% no quarto trimestre de 2015.

O presidente do BB, Paulo Caffarelli, tem afirmado que o objetivo é levar o retorno da instituição, no médio prazo, a um patamar parecido com o dos grandes bancos privados. Ou seja, em torno de 20%. Para isso, tem apostado em medidas de melhoria da eficiência operacional.

Caffarelli, no entanto, conseguiu entregar no quarto trimestre outra de suas metas — a de elevar o capital principal do BB a 9,5% até 2019. 
O BB fechou o ano passado com 9,6% de capital principal, aquele considerado de melhor qualidade, ante 9,1% em setembro e 8,2% em dezembro de 2015. 
O índice de Basileia aumentou para 18,6% no fim do ano passado, ante 17,6% em setembro e no fim do ano anterior.

Expectativas 
Em relatórios divulgados nesta manhã, analistas de diversas casas destacaram como ponto positivo da divulgação de resultados as metas traçadas pela instituição para 2017.

Para o Goldman Sachs, a meta do BB para o lucro líquido em 2017 parece ser “conservadora e alcançável”. O Banco do Brasil divulgou hoje uma projeção de lucro líquido ajustado para este ano entre R$ 9,5 bilhões e R$ 12,5 bilhões. Em 2016, o resultado foi de R$ 7,2 bilhões.

Pelos cálculos do Goldman Sachs, o banco atingirá R$ 10,1 bilhões de lucro neste ano, com parco crescimento do crédito, menores despesas com provisão para crédito e uma pequena pressão na margem.

O Credit Suisse também considerou os números do BB em linha com o esperado e prevê um resultado de R$ 11,6 bilhões. 
Para o BTG Pactual, as projeções para 2017 foram o ponto alto da divulgação de resultados do BB, apesar de não acompanharem as previsões mais otimistas feitas para provisão de crédito e despesas.

O ponto que deixou a desejar, segundo o BTG, diz respeito à rentabilidade. Os analistas dizem que a recuperação do retorno está acontecendo, mas de forma gradual. A rentabilidade do BB em 2016 foi de 7,5%. A preocupação dos analistas está relacionada à qualidade dos ativos. (Fonte: Valor Econômico)



17/02/2017

Itaú ultrapassa BB e se torna o maior banco do país


 
O Itaú Unibanco ultrapassou em dezembro o Banco do Brasil (BB) em ativos totais. Com isso, o Itaú tornou­se o maior banco do país.

O Itaú apresentou um total de R$ 1,425 trilhão de ativos ao fim de dezembro, enquanto o BB ficou com R$1,401 trilhão. Ao longo do último ano,os ativos do Itaú cresceram 4,8%, enquanto os do BB se mantiveram praticamente estáveis.

Nesta quinta­feira, o BB divulgou os resultados do quarto trimestre. A instituição obteve lucro líquido ajustado de R$ 1,747 bilhão no quarto rimestre de 2016, resultado 34% inferior ao obtido no mesmo período do ano anterior. O número exclui o impacto das despesas não recorrentes de R$ 1,401 bilhão com o plano de aposentadorias incentivadas lançado pela instituição.

O lucro contábil, que inclui itens extraordinários, foi de R$ 963 milhões, com redução de 61,6% em relação aos três últimos meses de 2015.

No último dia 7, o Itaú divulgou seu balanço, com lucro líquido recorrente R$ 5,817 bilhões no quarto trimestre do ano passado, o que representa aumento de 1,8% em relação ao mesmo período de 2015 em bases pro forma, incluindo o CorpBanca em todo o período analisado. De janeiro a dezembro de 2016, o banco lucrou R$ 22,150 bilhões, com redução de 7%.

Em termos contábeis, o lucro do Itaú recuou 2,7% no quarto trimestre, para R$ 5,543 bilhões, e 7,4% no ano passado como um todo, quando somou R$ 21,639 bilhões. (Fonte: Valor Econômico)



15/02/2017

Brasileiro poderá trabalhar 14 horas diárias sem receber horas extras


Reforma trabalhista permite que sindicatos e empregadores estendam a jornada de trabalhadores sem aumento da remuneração (André Campos)
A reforma trabalhista do governo Michel Temer pode permitir que horas de trabalho antes remuneradas como horas extras sejam incorporadas à jornada normal sem pagamento adicional. Atualmente, todo empregado que faz hora extra tem direito a receber um adicional de, no mínimo, 50% sobre o valor da hora normal.

Isso acontece porque a proposta permite que sindicatos e empregadores negociem jornadas de até 220 horas mensais, mas não estabelece critérios claros para diferenciar o que seria, dentro desse limite, horário regular ou trabalho extraordinário.

“A intenção é justamente permitir acordos coletivos com jornadas longas, de 10, 12 ou até 14 horas num dia, sem o pagamento de horas extras”, avalia Valdete Severo, juíza do Trabalho no Rio Grande do Sul.

Na ponta do lápis, o prejuízo ao trabalhador pode ser grande. Alguém que ganha dois salários mínimos, 1.874 mil reais, pode perder cerca de 366,28 reais por mês – o equivalente a 20% da renda. Isso aconteceria no caso desse funcionário trabalhar todas as 220 horas mensais previstas na proposta, o que soma 2.640 horas ao ano. De acordo com as regras atuais, ao menos 344 horas na jornada anual desse funcionário seriam horas extras.

Esta é, na verdade, uma estimativa conservadora. As perdas do trabalhador seriam ainda maiores se levássemos em conta os feriados e os casos de trabalho aos domingos, quando as horas extras precisam ser pagas com 100% de acréscimo.

Outra mudança importante será na remuneração por produtividade, que passa a ficar sujeita aos arranjos feitos em acordos e convenções coletivas. O maior receio é que isso desobrigue empregadores a pagar o piso de categorias ou até mesmo o salário mínimo.

Para Jorge Ferreira dos Santos Filho, coordenador da Articulação dos Empregados Rurais do Estado de Minas Gerais, esses são problemas que já acontecem na prática no meio rural, mas que são passíveis de punição pela justiça.

Um exemplo é a colheita do café. Trabalhadores recebiam menos do que o salário mínimo em ao menos metade de 30 cafezais inspecionados pelo Ministério Público do Trabalho na região sul da Bahia entre maio e agosto de 2016.

Segundo o procurador Ilan Fonseca, que coordenou as ações, a remuneração da lata – medida de aproximadamente 60 litros onde os empregados colocam o café colhido – gira em torno de dois a quatro reais, dependendo do local. “Muitos, especialmente os mais idosos, não conseguem receber mais do que 500 reais ou 600 reais”, relatou o procurador. (Fonte: Carta Capital)



14/02/2017

Coordenação Sindical discute Reforma da Previdência


 

Foi realizada na manhã desta terça-feira, 10/02, reunião da Coordenação Sindical Trabalhista de Maringá, com diversos assuntos de interesse dos trabalhadores na pauta. Foram tratados, entre outros, sobre a Reforma Previdenciária.

Estiveram presentes os  diretores do Sindicato:  presidente Carlos Roberto Rodrigues, Edson Mosca, Aldi César Mertz, Vilmar Alves Feitosa e Luiz Pereira.



14/02/2017

Resultado da reunião com o banco Itaú-Unibanco


A Comissão do Banco Itaú-Unibanco reuniu-se em São Paulo na última sexta-feira, dia (10/02), às 14 h. A comissão que é formada por dirigentes das Federações e Sindicatos, discutiu sobre a seguinte PAUTA: Vale Cultura, Licença Maternidade/Paternidade e Assuntos Regionais.

Estiveram presentes e representado esta federação e seus sindicatos filiados, os diretorer do Sindicato dos Bancário de Ponta Grossa, Julio Merenda e Osmar Javorski.

Vale Cultura 
Sobre o vale cultura, o Itaú-Unibanco aguarda a publicação da medida provisória, que regulamenta a continuidade do pagamento do vale cultura. Até o momento não temos conhecimento da publicação desta medida. O deputado do Roberto Freire (PPS) propôs a continuidade do pagamento tendo em vista sua importância aos trabalhadores.

Licença Maternidade/Paternidade 
O Itaú-Unibanco segue concedendo a Licença Maternidade nos moldes anteriores, já a Licença Paternidade, ampliada de 5 para 20 dias, passou a ser concedida na convenção atual 2016-2018, inclusive a pais adotivos.

Para gozar do benefício é necessário que o pai encaminhe a certidão de nascimento e, apresente o certificado, que participou do curso específico de como cuidar de recém-nascido.

O banco Itaú-Unibanco já elaborou curso específico, cujo o pai poderá participar da certificação, segue anexo.

Assuntos regionais 
Foram colocados para o Banco vários assuntos. Como novamente a instalação imediata de portas de segurança nas agências, em tiveras suas portas-giratórios retiradas e cuja a Lei municipal a obriga, a exemplo de Manaus (AM).

Lojas e agências estão sendo invadidas, é necessário que o Banco cumpra as Leis municipais.

Emissão de CAT 
A emissão de CAT deverá ser verdadeiramente como são os fatos.

Agências Virtuais 
A CONTEC ficou preocupada com quadro funcional do Itaú-Unibanco, após ter ciência de reportagem jornalística, que conclui que daqui sete anos, 70% serão das agências do banco serão virtuais e o restante, somente 30% delas serão físicas. Porém os representantes do Itaú disseram que estão fazendo vários estudos a respeito do futuro do banco.

Valorização dos funcionários quando atingem os 30 anos de trabalho

Os representantes do Itaú disseram que não será mais como os anos anteriores, o reconhecimento será diferenciado e que ainda está em estudo.

Reuniões 
Outras reuniões serão programadas, breve passaremos calendário de reuniões do Itaú-Unibanco. (Fonte - Contec)



Anterior | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 | 16 | 17 | 18 | 19 | 20 | Próxima






Travessa Guilherme de Almeida, 36 - 1º andar
Centro - CEP 87013-150 - Maringá/PR

Fone (044) 3227-2955 - Fax (044) 3031-2965

2015 - Sindicato dos Bancários de Maringá e região - Todos os direitos reservados.