Bancários

Sindicato de Maringá e Região

CONTEC
15° MIN 25° MÁX MARINGÁ
Seu Banco:


24/07/2018

BB: Negociação nesta segunda, 23/7, traz poucos avanços

A CEBNN/Contec reuniu-se com o Banco do Brasil, nesta segunda-feira (23), a partir das 14h, para continuidade da campanha salarial.


Cobrada pela CONTEC, a Comissão do BB informou que na próxima reunião trará resposta à questão do Plano de Saúde para os concursados.

A Comissão do BB propôs inserir cláusula de intervalo intrajornada com gozo de 15 a 30 minutos para os colegas com jornada de 6 horas e de 30 minutos a 2h00 pelos colegas com jornada de 8 horas.
O Banco propõe ainda ajustar a cláusula 42 do ACT, que trata de folgas, registrando que pretende unificar o tratamento, no sentido de acúmulo de até 10 folgas, a serem utilizadas no prazo de até 60 dias.

O BB se reportou à cláusula 39 ACT, que regula o Horário de Repouso, para propor a adoção da mesma redação da CCT, objetivando retirar o descanso de 10 minutos para os funcionários que trabalham nas salas de atendimento, com o que a CONTEC não concordou, argumentando que tal descanso foi fruto de inúmeras rodadas de negociações, até porque, trata-se da preservação da saúde daqueles colegas que, por longas horas, permanecem de pé, atendendo a clientela.

A Comissão BB se referiu às cláusulas 43 e 54 do ACT revisando, que regula a Trava para Remoção de Escriturário e Trava de Tempo para concorrência para atendentes, para propor a retirada das mencionadas cláusulas do ACT, ao argumento de que as questões se encontrariam nos normativos internos. A comissão CONTEC, ressaltou que há muito solicita do banco, conhecimento dos normativos que tratam de assuntos inerentes a determinadas cláusulas, pois, fica difícil concordar-se com algo que se desconhece.

O BB recusou o pedido de aporte de recursos para a CASSI (cláusula 15 da pauta), alegando que o assunto CASSI estaria sendo tratado em outro fórum. Ao que a mesa da CONTEC informou que o BB não está negociando com a representação dos funcionários, razão da situação deficitária em que se encontra a CASSI.

O BB também negou o pedido da Contec de reembolso das despesas realizadas por colegas lotados em cidades onde a CASSI não tem atendimento. Tendo a mesa da CONTEC, destacado que o pedido objetiva evitar o deslocamento desnecessário do funcionário, que além de se ausentar do trabalho, tem tido enormes despesas para garantir o atendimento para si e para seus familiares.

O BB negou ainda a cláusula 23 da pauta, Proteção à Funcionária Gestante, alegando que a cláusula 7ª. do acordo já atende em parte a reivindicação e que o Banco não costuma prejudicar funcionárias que retornam da licença maternidade. Propõe a renovação da cláusula 7ª, do ACT revisando. A CONTEC, por seu turno, indagou o porquê de o Banco não querer acordar a cláusula, se já a pratica, qual o prejuízo?

Apesar de toda as argumentações da mesa da CONTEC, o Banco manteve seu posicionamento.

O BB negou o pedido objeto da cláusula 24 da pauta, Afastamento por Doença Superior a 15 dias, propondo renovar a cláusula 36 do ACT revisando.

A Empresa também negou a cláusula 25, Perda de Comissão por Afastamento de Licença Saúde por mais de 180 dias, alegando que os funcionários do BB fazem jus à percepção da vantagem por 12 meses e que, nas situações de retorno de afastamento por câncer e acidentes de trabalho reconhecidas pelo INSS com CAT emitidas pelo BB, os funcionários retornam comissionados. Propôs renovar a cláusula 36.

A Empresa negou ainda o pedido objeto da cláusula 28, Estabilidade ao Funcionário Vítima de Assalto, Sequestro ou Extorsão, alegando que só demite mediante processo administrativo.

A próxima reunião foi confirmada para o dia 26, a partir das 14h00, no Ed. BB, na Av. Paulista, 1.230, para debate das cláusulas de relações sindicais.


A CEBNN/Contec destaca a necessidade de a categoria continuar mobilizada para conquistar suas reivindicações. 


23/07/2018

Terceira rodada de negociação com a Fenaban discute várias cláusulas

Na última sexta-feira (20/7), em São Paulo, foi realizada a terceira rodada de negociação desta campanha salarial entre a Comissão Executiva Bancária Nacional de Negociação – CEBNN – da Contec (Confederação Nacional dos Bancários) com a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos).

O Paraná esteve representado nessa reunião pelo presidente da Federação dos Bancários do Paraná e do Sindicato de Cascavel e Região, Gladir Basso; Gilberto Lopes Leite, presidente do Seeb-Ponta Grossa e  Israel Lobo Coêlho, secretário geral do Seeb-Maringá.

A Fenaban iniciou os debates apresentando contraproposta de algumas cláusulas – envolvendo negociação permanente, relações sindicais, estabilidade, registrando que estão abertos à convergência.

A Contec insistiu no pedido de atendimento da cláusula 1ª, que trata da renovação da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) 2016-2018. Sem grandes avanços nesse tema, os debates passaram a se concentrar nas seguintes cláusulas:

 _ CLÁUSULA 11 – ESTABILIDADE AO FUNCIONÁRIO VÍTIMA DE ASSALTO, SEQUESTRO E EXTORSÃO, prevista no parágrafo 4º da cláusula 31 da CCT revisanda.

A proposta da FENABAN é incluir no debate a figura da extorsão e, aceitando o conceito proposto pela CONTEC.

 _CLÁUSULA 12 – DIMENSIONAMENTO DO QUADRO DE FUNCIONÁRIOS POR UNIDADE (cláusula nova)

A comissão CONTEC solicitou a contratação de mais empregados. No entanto, a FENABAN alegou que os bancos têm metodologia própria para dimensionar seus quadros e propôs a indicação de unidades em que há problema, para avaliação pelo sistema. No entanto, a Comissão FENABAN fez questão de registrar que, nos últimos 4 anos, o setor bancário teve um impacto menor do que os outros setores da economia, no que se refere ao número de desemprego.

 _CLÁUSULA 13 – PROIBIÇÃO DA GUARDA DAS CHAVES E ACIONADORES DE ALARMES (cláusula nova)

A comissão Contec solicitou a proibição dos acionadores de alarme, considerando a exposição a que fica sujeito o empregado, que fica com a responsabilidade da guarda das chaves dos cofres e de acionar alarme. Foi destacado ainda a necessidade de garantir a vida e, de amenizar o estresse dos trabalhadores bancários e de seus familiares.

A FENABAN, no entanto, propôs apresentar redação para debate sobre as cláusulas 11 e 13, destacando que concorda ser preciso melhorar a questão da segurança bancária.Por isto, vão avaliar a questão e apresentarão texto específico sobre segurança bancária para avaliação pela CONTEC.

_CLÁUSULA 14 – CERTIFICAÇÃO INTERNA DE CONHECIMENTO, prevista na cláusula 61 da CCT revisanda

A comissão FENABAN destacou a necessidade de interesse dos trabalhadores pelo desenvolvimento de maior conhecimento. Lembrou ainda que os cursos de CPA10 e CPA20 são excelentes opções de educação financeira e propôs apresentar redação para esta cláusula, posteriormente

 _CLÁUSULA 15 –  MONITORAMENTO DE RESULTADO, previsto na cláusula 37 da CCT revisanda

A FENABAN disse que a proposta é não expor os empregados a qualquer constrangimento,por isto concordam com reformulação da cláusula. Irão apresentar proposta alternativa para apreciação da CEBNN/Contec

 _CLÁUSULA 16 – POLÍTICA DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA (nova)  

A comissão FENABAN reconhece a relevância do tema, alegando que os bancos cumprem a legislação por meio das NRs. No entanto, propôs que os casos concretos sejam debatidos nas comissões paritárias e destacou que há um canal de diálogo e negociação permanente, independente das datas das Comissões Temáticas, com destaque para esses temas voltados à saúde e segurança.

 _CLÁUSULA 17 – ACIDENTES DE TRABALHO, prevista na cláusula 46 da CCT revisanda

A comissão FENABAN registrou que bancos atendem a legislação vigente, que regula o acidente de percurso. No entanto, estão dispostos a avaliar a questão, se entenderem que há necessidade de melhorias.

 _CLÁUSULA 18 – AFASTAMENTO POR DOENÇA SUPERIOR A 15 DIAS, prevista na cláusula 47 da CCT revisanda

A FENABAN propõe a manutenção da cláusula.

 _CLÁUSULA 19 – PROTEÇÃO À EMPREGADA GESTANTE, prevista na cláusula 27 da CCT revisanda.

A comissão Contec solicitou que os bancos assegurem total proteção às empregadas gestantes, para que não haja mudanças nas condições de trabalho, remuneração, comissão ou mesmo que não seja alterada sua rotina no retorno da licença.

A FENABAN ficou de discutir o tema com os bancos.

 _CLÁUSULA 20 – HOMOLAGAÇÃO DE RESCISÃO CONTRATUAL, prevista na cláusula 52 da CCT revisanda

A comissão FENABAN disse que irá propor nova redação para retorno das homologações pelas entidades sindicais, condicionado à quitação geral, além das quitações anuais

 _CLÁUSULA 21 – COMISSÕES TEMÁTICAS, prevista na cláusula 46 da CCT revisanda

A FENABAN registrou que as mesas temáticas não resolveram a questão do Assédio Moral e destacou a pretensão de valorizar a cláusula do Instrumento Normativo. Por isto, propôs um Processo de Negociação Permanente, com possibilidade de reuniões para debater os temas pautados, a qualquer momento em caso de necessidade de resolver determinados problemas.

Também registraram a necessidade de pacificação da questão da 7ª e 8ª hora e Gratificação Semestral, ao argumento de alcance da segurança jurídica e informaram que vão propor, posteriormente, uma cláusula envolvendo os temas existentes para análise.

 _CLÁUSULA 22 – CONTRIBUIÇÃO ÀS ENTIDADES SINDICAIS – TAXA NEGOCIAL (nova)

A comissão FENABAN  disse que entender a necessidade de uma alternativa para sustentação das entidades sindicais, no entanto, disse ter dificuldades para atendimento do pedido.

 _ CLÁUSULA 23 – DESCONTO ASSISTENCIAL, prevista na CCT Aditiva_

A FENABAN registrou a limitação financeira da cláusula, ao fundamento de que o TST entende que a contribuição deve observar teto. Ficou de apresentar redação alternativa.

_CLÁUSULA 24 – ESTABILIDADE DE DIRIGENTE SINDICAL – PACTO DE RELAÇÕES SINDICAIS (nova)

A FENABAN apresentou desenho de redação para avaliação dos princípios a serem adotados.

_CLÁUSULA 25 – NEGOCIAÇÃO EXCLUSIVA COM OS SINDICATOS (nova)

A FENABAN ficou de trazer uma resposta nas próximas reuniões.

 _CLÁUSULA 27 – VIGÊNCIA

A FENABAN disse que está avaliando a possibilidade de vigência da CCT por 4 anos, sob alegação de que isso traria mais conforto ao bancário. A comissão CONTEC ponderou que vai debater o assunto, desde que a proposta venha acompanhada de garantias para os bancários.

A próxima reunião com a FENABAN acontecerá no próximo dia 24/07/2018 (terça-feira), a partir das 10 h, no Maksoud Plaza Hotel, em São Paulo/SP.


A CEBNN/Contec destaca a necessidade de a categoria continuar mobilizada para conquistar suas reivindicações. Acompanhem a marcha das negociações no site e pelas redes sociais da CONTEC. (Fonte: Contec)

4ª RODADA NESTA TERÇA
Nesta terça-feira (24), haverá a quarta rodada de negociação da CEBNN/Contec com a Fenaban, a partir das 10h, em São Paulo.

(Contec)


23/07/2018

BB: nesta segunda, 23, tem negociação

Nesta segunda-feira 23/07, a partir das 14 horas, a CEBNN/Contec reuni-se na Sede do Banco, em Brasília/DF, para debater as cláusulas de saúde e condições de trabalho.


Ultima reunião
Na ultima reunião que aconteceu no dia 13/07, a Comissão do BB manifestou sua intenção de reduzir para apenas uma avaliação (GDP), como condição para descomissionamento da gerência média.

A propósito da cláusula da pauta de reivindicações dos Bancários, que pede o aporte de recursos para a CASSI, o BB informou que não pretende tratar da questão nessa mesa de negociação.

A comissão CONTEC questionou o BB sobre a concessão de Plano de Saúde para os selecionados no último concurso, havendo o Banco informado que tratará da questão na próxima reunião.

Sobre a cláusula de homologação das rescisões nos sindicatos, o BB deixou claro que pode negociar, e citou como exemplo a desistência das ações coletivas com base na súmula 372 do TST. (FEEB-PR)


19/07/2018

Caixa: primeira rodada segue ritmo das negociações com Fenaban e BB


Foi realizada nesta quarta-feira, dia 18/07, primeira rodada de negociação com a Caixa Econômica Federal. Representando nosso Sindicato esteve presente o vice-presidente Carlos Roberto Rodrigues.

A exemplo da Fenaban, há muita discussão, mas pouco avanço neste início de negociação. Movimento sindical vem pressionando sobretudo pela renovação do atual acordo, que tem que ocorrer até no próximo dia 31 de agosto.

Negociadores do banco frisaram que estarão acompanhando também, a exemplo do Banco do Brasil, as definições da mesa da Fenaban, que por sua vez se comprometeu a apresentar uma definição sobre a ultratividade, ou seja, validação do atual acordo até negociação de um novo, até no final de agosto.

Nova rodada com a Caixa ocorrerá na próxima semana. “As negociações, como sempre, são difíceis. Bancos sempre começam negando tudo, mas no decorrer do processo vão acontecendo os avanços”, comenta Rodrigues. Por isso, é fundamental que bancários continuem acompanhando todo o desenrolar das negociações. 

CONFIRA ALGUNS PONTOS DA NEGOCIAÇÃO:

CLAUSULA 13  - PROTEÇÃO A EMPREGADA GESTANTE

A Comissão Contec manifestou que é importante que haja proteção para a gestante, tanto no aspecto das condições de trabalho, quanto a preservação de sua remuneração no tocante ao comissionamento, pelo que a comissão Caixa esclareceu que para estes casos manterá a redação do acordo vigente.

CLAUSULA 20 – AFASTAMENTO POR DOENÇA SPERIOR A 15 DIAS

Visando melhorar a redação da clausula constante do acordo, a comissão Contec solicitou que a Caixa se responsabilize pelo agendamento de pericias junto ao INSS no caso de afastamentos acima de 15 dias, quando o empregado não o fizer em prazo hábil, considerando a impossibilidade do mesmo devido as suas condições desfavoráveis de saúde.  A Caixa informou que pretende manter a redação considerando que haverá mudanças a serem implementadas pelo E-Social a partir deste mês de julho.

CLAUSULA 15 – ESTABILIDADE AO FUNCIONARIO VITIMA DE ASSALTO, SEQUESTRO OU EXTORSÃO.

De forma a resguardar os empregados que são vítimas de assalto, sequestro ou extorsão,  registrou que é de fundamental importância que empregados seja garantida a estabilidade financeira devido ao stress gerado pela situação ocorrida, que muitas vezes traz implicações psicológicas ao empregado. Infelizmente a Caixa não trouxe nenhuma novidade para esta questão , alegando que o tratamento dado à questão financeira está contido no RH 184, que trata desta questão, desconsiderando os reflexos na vida do empregado quando vitima destas situações.

CLAUSULA 17 –  LICENÇA REMUNERADA PARA ACOMPANHAR PESSOA ENFERMA DA FAMILIA

A Comissão Contec solicitou que quando houver necessidade, a pedido médico, de licença para acompanhamento de pessoa da família, que não haja nenhum prejuízo na vida funcional do empregado.  A Caixa pediu que este assunto seja tratado na próxima reunião com a apresentação do RH específico que trata desta questão, para que sejam esclarecidas  todas as dúvidas.

Foi cobrada da Caixa que continue avaliando e melhorando a implementação do  PCMSO juntos aos empregados Caixa , visando resguardar a saúde dos empregados com informações tempestivas de forma a prevenir doenças ocupacionais.  Em resposta a coordenação Caixa afirmou que este processo tem sido tratado com muita ênfase para melhorar as condições de trabalho e evitar prejuízos a saúde dos empregados.

A Comissão também ressaltou que a manutenção dos equipamentos, utilização do ar condicionado, climatização, adequação do mobiliário visando garantir sigilo e segurança tanto para os empregados, quanto para os clientes, dentre outros pontos importantes são essenciais para a prevenção das boas condições no trabalho.

Sobre as questões de saúde e condições de trabalho, a Caixa informou que o programa FIQUE BEM  é articulado e visa melhorar a saúde mental dentro das condições de trabalho e que tem buscado aprimorá-lo constantemente. Informou também que a caixa já tem um novo padrão de mobiliário visando seu aprimoramento e que o acompanhamento é da área de logística.  Com relação a ruído e climatização há um acompanhamento com substituição do parque e existem metas para esta troca visando manter a qualidade do ar

A Contec também cobrou da Caixa maiores informações sobre a abertura do PSI para áreas meio. A Coordenação Caixa informou que este processo iniciado neste mês de julho está priorizando oportunidade para àquelas unidades que não passam por dificuldades de quantitativo de pessoal e resultados, bem como oferece a oportunidade às SRs de fazer as adaptações quando necessário para oportunizar a participação de todos. 

SEGURANÇA BANCÁRIA

A Comissão CONTEC fez uma abordagem atual da situação de segurança bancárias pelos quais passa os empregados da Caixa.   Falou sobre a criatividade dos meliantes, da fragilidade dos depósitos de explosivos, citando outras ocorrências em várias regiões do Brasil.  Neste tema, a comissão Contec solicitou que a Caixa, dentro dos contratos terceirizados, cobre uma melhor preparação de suas prestadoras através de cursos de treinamento, qualificação, requalificação e palestras na área de segurança.  Foi feita também uma abordagem sobre abastecimentos de numerários e pediu que fosse feita uma revisão estrutural nas instalações visando eliminar as estruturas que favorecem a ações de bandidos. Com relação as agências virtuais a Contec solicitou que mantenham seguranças para proteção aos empregados , como acontece nas demais dependências.

Sobre a emissão de CAT, a Comissão Contec, solicitou que seja feita a todos os empregados presentes em casos de ocorrências criminais.

Extrapolado o horário de término da reunião, será agendada nova reunião para a próxima semana, onde outros assuntos da pauta serão abordados.



16/07/2018

BB: segunda rodada define calendário de negociação


 

Aconteceu na sexta-feira, 13, em São Paulo, a segunda rodada de negociação da Campanha Salarial 2018 entre a Comissão de Negociação/Contec e o Banco do Brasil.

Os representantes dos trabalhadores cobram avanços em relação a pauta entregue ao banco, especialmente na assinatura de um pré-acordo que garanta a manutenção dos direitos dos funcionários até a assinatura de um novo Acordo Coletivo Aditivo. O banco informou que, assim como na mesa da Fenaban, o banco tem disposição de negociar um acordo até 31 de agosto, e que os esforços serão feitos para assinatura do acordo e caso haja  necessidade, discutirá um pré-acordo em momento oportuno.


Calendário

Na reunião, foi definido o calendário das próximas rodadas de negociação. No dia 23/07, a partir das 14 horas, na Sede do Banco, em Brasília/DF, será realizada a terceira rodada, focando nas cláusulas de saúde e condições de trabalho.

Já no dia 26/07, a partir das 14 horas, no Ed. BB São Paulo, serão debatidas as cláusulas de relações sociais e sindicais. E, nos dias 01, 02 ou 03/08, a partir das 14 horas, no Ed. BB São Paulo, serão tema da pauta as cláusulas econômicas. Vale lembrar que a categoria reivindica 5% de ganho real mais a inflação do período para a correção salarial e de todas as verbas.

 

Abrangência do acordo

Um ponto importante firmado na negociação foi a abrangência do acordo a ser assinado. O banco afirmou que o acordo terá a mesma abrangência do acordo anterior, não sendo excluídos os trabalhadores chamados de “hipersuficientes” pela nova legislação trabalhista. De acordo com nova lei aprovada pelo Governo, empregados com nível superior e remuneração acima de duas vezes o teto de benefícios do INSS (que hoje corresponde a R$ 11.291) negociariam direto com o patrão, correndo o risco de perder direito, uma vez que não teriam uma representação coletiva. Desta forma, a abrangência a todos dá mais segurança aos funcionários do BB. 


Renovação de cláusulas

O banco firmou o compromisso de renovação das cláusulas de direitos conquistadas ao longo das diversas campanhas nacionais e inseridos no acordo coletivo. Nestas cláusulas estão as ausências legais e auxílios como PAS Auxílio, Isenção de Tarifas e Licença para Acompanhar Pessoas Enfermas.


Mesa temática de saúde do trabalhador

Foi firmado o compromisso de instalação da Mesa Temática de Saúde do Trabalhador. A instituição de mesas temáticas serve para debater com mais profundidade os assuntos mais complexos e que necessitam de um tempo maior de discussão. Na mesa de Saúde do Trabalhador será discutida a realocação de funcionários que voltam de licença saúde, bem como detalhamento do PCMSO e outros programas de saúde.


Escritórios digitais e teletrabalho

Outra mesa temática com o compromisso de instalação após a assinatura do acordo é sobre Escritórios Digitais e Teletrabalho. Os funcionários querem debater a forma como os escritórios estão sendo implantados e as condições de trabalho dos funcionários dessas unidades. O teletrabalho e home-office é uma realidade em muitas empresas e está sendo implantado aos poucos no Banco do Brasil, sem uma discussão mais aprofundada com a representação dos funcionários. Esta mesa temática será usada debater sobre o modelo existente, o futuro do trabalho e a proteção do trabalhador nessa nova modalidade.


Outros temas e respostas negativas

Outro tema levado pelos funcionários foi a questão das agências explodidas e sem abertura. Houve uma preocupação com os municípios que estão ficando sem agências bancárias e sem circulação de numerário.  O banco informou que os assuntos da pauta sobre segurança bancária não tem ainda resposta e serão tratados na mesa do dia 23, na sequência da discussão sobre o tema na mesa única da Fenaban.

O banco informou também que o número de funcionários está limitado às portarias do Governo, via SEST, e que não fará concursos para reposição dos quadros nas agências, uma vez que ainda existe uma grande quantidade de excessos e precisam ser ajustados. Os funcionários cobraram do banco que não haja remoção compulsória para outras cidades e que o banco estude incentivos para funcionários que queiram migrar para dependências com dificuldade de provimento, mesmo na mesma praça.


Remoções compulsórias para cidades vizinhas

Os representantes dos funcionários apresentaram ao banco casos de remoção compulsória de escriturários para outras cidades com prejuízo financeiro e familiar.

Na minuta de reivindicações dos bancários do BB está o pagamento de vale-transporte intermunicipal, independente da empresa ter vale ou ônibus com catracas. A normatização no acordo coletivo desse benefício poderia resolver o problema de milhares de funcionários em todo o país.



13/07/2018

Rodada de negociação com o BB nesta sexta, 13

A reunião de negociação do BB será realizada nesta sexta-feira dia 13/07, às 14h em São Paulo, na Av. Paulista, nº 1230, 11 andar, sala da ONU, Bela Vista.


Na primeira reunião de negociação que aconteceu  no 29/06, entre o Banco do Brasil e a Contec, o banco afirmou estar disposto a negociar sobre os pontos de pauta apresentados pelos trabalhadores.

Mesas específicas
Para acordo andar com mais celeridade, o banco propôs, inclusive, estabelecer mesas específicas para avançar nos debates sobre determinados temas, como segurança e saúde do trabalhador; teletrabalho; e escritórios digitais e também participar da mesa unica da Fenabam.

Com relação à Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (Cassi), o banco não aceita debater o tema na mesa de negociações específicas da Campanha Nacional. Prefere que seja debatido no fórum específico da governança da Cassi.

Outros pontos
O banco ainda disse estar disposto a retomar as homologações das rescisões de contrato de trabalhos nos sindicatos, a ampliação do tempo de pagamento da Verba de Caráter Pessoal (VCP) e atualizar a tabela de Pontuação Individual do Participante (PIP) da Previ.

Por fim, o banco também estudará a regularização da situação dos funcionários que fizeram concurso específico para a área de TI que ainda não tomaram posse.


12/07/2018

Fenaban: bancos aceitam calendário de negociação


 

 

Foi realizada nesta quinta-feira, 12, a segunda rodada de negociação com a Fenaban. Os bancos se negaram a assinar a ultratividade, estendendo o atual acordo coletivo de trabalho até a assinatura de um novo, porém aceitaram o calendário proposto pelos representantes dos trabalhadores na mesa de negociação.

Ficou acordada novas rodadas de negociação para os dias 20 e 24 de julho e 2 de agosto. “Acreditamos que teremos uma proposta final até dia 2 de agosto”, aponta o vice-presidente do Sindicato, Carlos Roberto Rodrigues.

No dia 20 o tema das negociações será saúde e condições de trabalho; dia 24, emprego. Já no dia 1º os bancos deverão apresentar uma proposta global.

“Esta rodada, como a primeira, foi tensa, de muito debate, muita discussão, com os bancos mantendo a postura intransigente, porém deixamos claro que a categoria está unida, está consciente e disposta a garantir avanços nesta campanha salarial.”

 

CONFIRA MINUTA DA REUNIÃO DE HOJE COM A FENABAN:

Ao argumento de que este ano iniciamos a campanha salarial mais cedo e acreditando que renovaremos a Convenção Coletiva de Trabalhos antes do vencimento da Convenção revisanda, a FENABAN entende desnecessária a garantia de prorrogação neste momento.

Destacando que o setor bancário está disposto a firmar um pacto de fechamento da Convenção ainda na vigência da CCT revisanda, a FENABAN entregou a carta de intenções.

Restou ajustado o seguinte calendário de negociação: 20/07, 24/07 e 02/08/2018, no Hotel Maksoud Plaza, em São Paulo/SP, sempre a partir das 10 horas da manhã, enquanto que as reuniões preparatórias serão realizadas nos dias 19/07, 23/07 e 01/08/2018, a partir das 14 horas, no Sindicato dos Securitários de São Paulo.

Vamos sugerir que na reunião do dia 20/07 sejam discutidas as reivindicações objetos das cláusulas 11 a 25 da nossa pauto, entregue no último dia 13/06/2018.

A FENABAN solicitou que os Sindicatos se manifestem sobre sua situação dos registros sindicais de cada entidade junto ao Ministério do Trabalho e Emprego.

Faz-se necessário que a categoria continue acompanhando as negociações e siga com a forte mobilização.

Diretoria Executiva da CONTEC



10/07/2018

Vamos à segunda rodada, dia 12, em busca de avanço nas negociações

Após primeira rodada frustrada, movimento sindical voltará à mesa de negociação com Fenaban, nesta quinta-feira, dia 12 de julho, em São Paulo.

“Esperamos que os bancos venham com uma proposta nesta segunda rodada. Vamos trabalhar para isso, pressionando, defendendo avanços principalmente em relação à renovação da nossa Convenção Coletiva de Trabalho (CCT)”, destaca o vice-presidente Carlos Roberto Rodrigues.

Com o fim da ultratividade, aprovada no ano passado pela Reforma Trabalhista, movimento sindical e bancos precisam negociar  a renovação da CCT até no próximo dia 31 de agosto, caso contrário categoria ficará sem os direitos adquiridos por décadas de lutas. 



05/07/2018

Rodada de negociação específica com a Caixa dia 18 de julho


Representantes dos trabalhadores na mesa de negociação querem a garantia de todos os direitos até a assinatura de novo aditivo à CCT. Principais eixos são a defesa da Caixa 100% pública e a defesa da Funcef, do Saúde Caixa, e da ampliação de direitos


Confirmadas para dia 18 de julho a primeira rodada de negociação da mesa específica com a Caixa Econômica Federal com a Contec para a Campanha Nacional 2018 da categoria bancária, em São Paulo (SP). No último dia 13 de junho, os representantes dos trabalhadores entregaram a pauta de reivindicações à diretoria do banco.

 Na Caixa, os principais eixos da Campanha Nacional 2018 são ganho real no salários e verbas, a defesa do banco 100% público e a defesa da Funcef, do Saúde Caixa, e por ampliação de direitos. À defesa da Caixa 100% pública soma-se a luta por mais contratações e contra a precariedade das condições de trabalho, além da revogação da reforma trabalhista/lei da terceirização e contra a reforma da Previdência.

Nessa primeira reunião com a Caixa, uma das prioridades é a questão da assinatura do pré-acordo com a garantia de ultratividade, segundo o qual um acordo coletivo continuaria valendo até a sua renovação. Isto é necessário para que todos os direitos dos empregados, conquistados em décadas de luta, possam ser assegurados, já que o aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) vale até 31 de agosto (a data-base da categoria bancária é 1º de setembro).

O vice-presidente do Sindicato, Carlos Roberto Rodrigues, destaca que os representantes dos trabalhadores irão para a mesa imbuídos do propósito de arrancar a renovação do atual acordo. “Vamos trabalhar para isso. Esperamos contar com o bom senso e a boa vontade do banco para avançarmos neste ponto inicialmente. Depois, seguirmos nos demais itens da nossa pauta”, reforça.

Para o diretor Luiz Pereira, o momento é de buscar a união da categoria para frear a escala de retrocessos que o Governo tenta impor às empresas públicas. Por isso, é necessária a intensificação da mobilização e da demonstração de força por parte dos trabalhadores. 



03/07/2018

BB mostra disposição para negociar com funcionários



Na primeira reunião de negociação desta sexta-feira (29) entre o Banco do Brasil e a Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB o banco afirmou estar disposto a negociar sobre os pontos de pauta apresentados pelos trabalhadores.

Neste ano foi apresentado as reivindicações com bastante antecedência e houve mais tempo para analisá-las. Isso possibilitou que o banco avançasse nas propostas e abrisse a possibilidade de assinar o pré-acordo para manter a ultratividade da CCT (Convenção Coletiva de Trabalho) e de manter a validade da convenção para todos os funcionários, contemplando os chamados hipersuficientes.

Para acordo andar com mais celeridade, o banco propôs, inclusive, estabelecer mesas específicas para avançar nos debates sobre determinados temas, como segurança e saúde do trabalhador; teletrabalho; e escritórios digitais.

Com relação à Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (Cassi), o banco não aceita debater o tema na mesa de negociações específicas da Campanha Nacional. Prefere que seja debatido no fórum específico da governança da Cassi.

O sistema de pontuação por mérito é outro ponto que o banco aceita discutir. No entanto, estabeleceu que os funcionários cedidos ou requisitados para órgãos governamentais não serão beneficiados pela pontuação.

O banco ainda disse estar disposto a retomar as homologações das rescisões de contrato de trabalhos nos sindicatos, a ampliação do tempo de pagamento da Verba de Caráter Pessoal (VCP) e atualizar a tabela de Pontuação Individual do Participante (PIP) da Previ.

Por fim, o banco também estudará a regularização da situação dos funcionários que fizeram concurso específico para a área de TI que ainda não tomaram posse.


Anterior | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 | 16 | 17 | 18 | 19 | 20 | 21 | 22 | 23 | 24 | 25 | 26 | 27 | 28 | 29 | 30 | 31 | 32 | 33 | 34 | 35 | 36 | 37 | 38 | 39 | 40 | 41 | 42 | 43 | 44 | 45 | 46 | 47 | Próxima






Travessa Guilherme de Almeida, 36 - 1º andar
Centro - CEP 87013-150 - Maringá/PR

Fone (044) 3227-2955 - Fax (044) 3031-2965

2015 - Sindicato dos Bancários de Maringá e região - Todos os direitos reservados.